sábado, 21 de dezembro de 2013

Duas coisinhas sobre dança.




1 - Comunicado de um índio do Peró. 

O Peró fica em Cabo Frio. É praia! Dunas, céu, mar e praia.

Fui olhar o céu : Está cheio de nuvens, fazendo "figuras"... Parecia uma reunião da tribo: Vi Touro Sentado, Águia Esvoaçante, Penico adormecido- o grande feiticeiro - Grandes Chefes como Nuvem Escura, Nuvem Cinza, Nuvem Molhada, Nuvem Encharcada e uns curumins sem vergonha com grandes cabaças de água que começaram a jogar cá para baixo... 

Então chamei o Xamã aqui do lugar juntamente com o pai de santo para ver se davam um jeito na turma lá de cima... o Xamã trouxe os chefes Punho Cerrado, Olho de Água, Sanga Seca, e um lá do Sertão de nome Saco Cheio de PAC. 

Em vão... A reza da dança da chuva funcionou e agora só quando chegar o grande Feitor e puser fogo no Sol... 

As grandes pradarias estão encharcadas.. As cigarras que cantavam, calaram-se e tiveram sua chama apagada... Viraram guimbas... 

Grande Chefe Saco Cheio de PAC voltou para o Nordeste Indignado. Vai propor troca de Estados, por um mais ao Sul. Grande Chefe Nuvem Furada aconselhou que era melhor trocar tudo que é político... Custaria menos mandioca 

₢ Rui Rodrigues


2-  A dança dos Sioux e a dança dos Técnicos

Tudo para fazer chover nos prados verdes... Os Sioux acreditam em Manitu, o Deus supremo que pode fazer chover água limpa se o feiticeiro fizer a reza certa... Os diretores de futebol dos clubes, contratando "novos" técnicos de futebol para chover dinheiro de ingressos financeiros no clube se este ganhar títulos. Uns e outros jogam com a sorte da natureza, com a eficiência dos Xamãs... Mas... Funciona? Ou é pura sorte, trabalho nos bastidores de assistentes, árbitros, toda uma parafernália de "multifunções" clubísticas ?

No caso dos Sioux, a natureza manda, eles não sabiam, o Xamã sempre intimidou a tribo com sua capacidade de salvar de doenças. Não crendo em bruxas, mas que as há, isso há, continuaram confiando no Xamã por via das dúvidas...

Já no futebol, o técnico demitido hoje, vai para outro clube amanhã, fica dois anos, sai, volta para o mesmo clube, vai para o estrangeiro, volta, fica dois anos, e assim passa a vida, de clube em clube...Ou seja, se fosse incompetente nenhum clube os readmitiria. Porque saem? Porque Manitu não lhes ilumina as ideias? Ou os técnicos se tornam relapsos? Ou ainda, pretendem baixar os salários dos técnicos? Há algo de estranho...

Há algo de podre nos reinos dos Sioux, do Futebol. No da Dinamarca o problema já foi resolvido... Já não há nada de podre no Reino da Dinamarca!

RR

As missões



As missões[i]



Lawrence da Arábia existiu. Tinha uma missão: Encontrar o rei Faiçal e saber quais suas intenções a futuro. Lawrence era um oficial subalterno das forças britânicas estacionadas no Cairo. Nessa época, no inicio do século XX, o Egito era um protetorado Inglês, o mundo árabe estava dividido em tribos. Lawrence só tinha a seu favor o fato de ser um sonhador e tinha uma cultura geral muito boa.


Escrevo este texto enquanto assisto ao filme pela terceira ou quarta vez em toda a minha vida. Olho para a tela quando algo me chama a atenção. Para me lembrar, também, de uma época em que eu recebia missões. Nenhuma missão minha falhou. Eu era bom nisso, reconheço, sem modéstia alguma.



Uma delas, eu tinha 27 curtos anos, foi a de assumir uma Filial no Sul do Brasil, com população altamente instruída, alto nível de educação, representando três empresas do maior grupo empresarial da América Latina naquele tempo: O Grupo Lume. As três empresas eram a Conaltour, a Conleasing e a Contal. Em particular, eu era também o responsável técnico, o gerente geral e de construção do edifício mais alto de Porto Alegre: O Edifício Sede da Embratel. Não parecia tarefa fácil, porque a obra estava atrasada, saindo da estimativa de custos. A equipe tinha sido admitida por meu antecessor e era de sua confiança. A pressa para que eu assumisse, face aos atrasos da obra era tal, que fizeram tudo ao mesmo tempo: Mandaram-me para Porto Alegre carregado de procurações para comprar, vender, alugar, fazer o que me desse na telha, abrir conta bancária em meu nome ou no da empresa, enquanto chamavam o anterior gerente para a demissão ao Rio de Janeiro. Meu chefe. O Mário Amêndola sabia o que fazia. Eu é que não estava muito certo de que ele estivesse certo. Não fui sozinho para Porto Alegre. Levei o melhor mestre da empresa, o Miguel Faustino Perez Galan. Na verdade, quase um engenheiro. Ele era espanhol.




 Quando cheguei com a procuração foi uma correria no escritório. Os olhares do engenheiro da obra, do estagiário, da secretária e do office-boy – era toda a equipe que tinha sido contratada – demonstravam todo o receio de serem demitidos. Eu não precisava falar muito. Eles contavam a história toda. Não me interessava muito a história que tinham para contar. Tranquilizei-os e os mantive, mas contei-lhes a nossa história: A minha e a da empresa. A empresa era ainda mais jovem do que eu. Sabíamos muitas coisas, mas nos faltava experiência. Precisávamos trabalhar em conjunto, de forma unida. O escritório era muito grande, um casarão e caro. A primeira coisa que fiz foi mandar retirar um enorme quadro de um alce de farta galhada de cima da parede bem por detrás da mesa vitoriana de ébano do gerente da filial, do que estava sendo substituído. E teríamos que mudar urgentemente de lugar. O transito para a obra era intenso e o escritório ficava longe da obra. Oito dias depois estávamos em duas salas de escritórios com um banheiro, na Borges de Medeiros, a cerca de 20 metros da obra, o edifício sede da Embratel na Avenida Salgado Filho, uma transversal da Borges.  Contratei um chefe de pessoal (um RH), um estagiário de economia para os lançamentos de custos e bancários. Troquei a secretária, a Sônia, que era trilíngue, por uma muito eficiente, esperta, que sabia o suficiente de matemática, escrevia e datilografava muito bem, sem ter a mínima ideia de que acabaria por casar com ela, a mãe de meus dois filhos. Além disso, estudava no primeiro ano de engenharia da PUC. Já tenho uma neta. Ora isto foi em 1972. Eu também não imaginava uma crise do petróleo em 1973-1974. Ninguém imaginava, mas a inflação já estava roendo o meu salário que era atualizado de dois em dois meses. Era um excelente salário, mas eu estava ainda na fase de soltar a bolsa que estivera presa por longos 27 anos. Passaria pelo menos uns dois anos de minha vida gastando tudo o que ganhava para saber o que era o “bom da vida”: Trabalhar para ganhar dinheiro, para gastar... Uma fórmula muito simples, mas que não pode durar muito porque cria o hábito e não se junta nada.

Os problemas da obra e das empresas eram resolvidos todos os dias. Os que esperavam respostas iam para a agenda. Nas paredes do escritório, um enorme cronograma dava conta de cada etapa controlada dia a dia. Quem elaborava os contratos e contratava era eu mesmo. Eu era o meu secretário para assuntos técnicos.  



Apesar de advogados de porta de obra aliciando trabalhadores para causas na justiça, do engenheiro da obra tentar me passar a perna querendo meu cargo, de outro – um argentino - que roubava na obra e que tive de denunciar na polícia, a obra acabou no prazo e dentro dos custos, com a ajuda nos três meses finais de meu padrinho de casamento, o Henrique Rotstein, que veio do Rio. Faltando um par de meses para terminar a obra, fui a convite de outra empresa para S. Paulo. Três meses depois, avisei a nova empresa, já em S. Paulo, que ela iria falir em menos de seis meses e saí dela. A Filial de S. Paulo da Contal me acolheu de braços abertos. Fui morar num prédio de mármore em plena Avenida Paulista.






Dias de sol e chuva, todas as manhãs uma esperança de resolver problemas com as fórmulas que aprendi da vida e algumas que criei, uma motivação diária, minha filha, minha família uma alegria. O futuro estava muito longe. Minha vida profissional tinha começado apenas em 1971, dois anos antes, quando com o paletó pendurado no ombro subi a rampa de acesso á construção do conjunto habitacional da Morada do Sol, em Botafogo, em frente ao Shopping Rio-Sul para pedir emprego.



Por aqueles dias não tinha tempo para pensar em política. Dizia-se que estávamos construindo o Brasil. Pois é... O Brasil tem que ser construído todos os dias sem nos esquecermos da política. Hoje é a política que afunda o Brasil, e como toda a política, sua propaganda diz que não, que o Brasil está bem, cada vez melhor...



Não está não!... Quem tem histórias para contar, tem histórias para comparar... E eu fiz tudo por um partido enorme chamado BRASIL.



© Rui Rodrigues




















[i] Foram muitas as minhas “missões” em minha vida. Ainda tenho algumas para concluir. O segredo da vida é termos sempre alguma missão a cumprir, desafios. Até hoje não perdi nenhum.  

sábado, 14 de dezembro de 2013

7- O paraíso



7- O paraíso
























O outono chegara alguns dias atrás e ontem chovera. Hoje, com nuvens no céu fiquei em casa. Faria um frango assado, tomaria um copo de vinho, frutas de sobremesa. Fui ao pomar e apanhei umas goiabas, dois limões, um mamão e um cacho de bananas no ponto. Em dois ou três dias tudo estaria maduro. Dei milho às galinhas que me acolheram com ansiedade. Alimentei minha gata. Mesmo com a porta do galinheiro aberta, as três galinhas e o galo não saíram de seu paraíso. Minha gata acompanha-me para onde vou no meu, até para colher frutas. Numa associação simples de ideias, pensei em Adão e Eva no paraíso. Conforme conduzido a aprender na Bíblia como seria o paraíso, o meu não era tão diferente antes de Adão ter perdido uma costela para que se construísse uma Eva. Por aquela época, Adão nem sabia que era imortal. Soube-o bem mais tarde, quando comeu o fruto da árvore da ciência e da vida. Outras árvores deveriam existir no paraíso, como por exemplo, A da Religião e da vida após a morte, a das Artes e Letras, a do Comércio e Indústria, a do amor e amizade, a da navegação e construção e muitas outras. Adão comeu de todas as frutas. Eva também. Os animais eram dóceis e não os molestavam. Claro que o paraíso de Adão era muito parecido com o meu, salvo as exceções, mas como Adão não sabia da única realmente perigosa, posso dizer que ele se sentiria como eu. Nem mais nem menos, exceto pelas idas ao supermercado, e não cultivo a vinha porque o terreno é pequeno e o solo impróprio.
Mas então o que será o Paraíso e onde se situará ou situaria?
Ao que tudo indica, o Paraíso era mesmo aqui na Terra, numa região situada entre um rio que se dividia em quatro: Pichon, Guion. Eufrates e Tigre, todos eles ricos em minerais nobres, como o ouro, o bdélio, o ônix. Havia já uma preocupação com a riqueza ao descrever os rios do paraíso. O taoismo também tem um paraíso: ficaria nas montanhas Kunlun, que se estendem por mais de 3.000 km, e onde ficaria o palácio de jade. Existem outros conceitos de paraíso, porém, quer o Taoismo, quer o judaísmo imaginaram um paraíso neste planeta. No caso do judaísmo, ele deixou de existir quando Adão foi expulso. No caso do Taoismo, ainda existe nas montanhas Kunlun. Seja como for, imaginado em que época tenham existido independentemente dos povos que os imaginaram, os paraísos são uma referência do que seria ideal em confrontação com a realidade que vivemos. O paraíso teria sido um benefício perdido, passível de recuperação de acordo com o comportamento de cada um. Mas é difícil julgar do comportamento próprio e do comportamento de cada um. São muitas, aparentemente, as injustiças com que nos deparamos neste mundo. A ser assim, não me admiraria se todo o ser vivo vier um dia a passar sua existência complementar num paraíso feito à sua vontade.
Almocei o frango assado com molho de laranja e um suco de limão, comi as goiabas e um par de horas depois me encostei na cama e adormeci pensando no paraíso. Então obtive a resposta.
- Nunca houve um paraíso como os descritos nos livros de qualquer religião. Houve “paraísos” sim – disse ele - mas o eram em outras circunstâncias. Para o povo judeu o Paraíso entre o Tigre e o Eufrates, refere-se à civilização babilônica, a qual admiravam, quando Israel não existia ainda e todo o povo judeu vivia em pequenas tribos em pequenas vilas, sendo caçados pelos babilônios para fazerem escravos. Este mesmo povo, o babilônio, invadiu Israel e expulsou toda a classe dominante israelita, incluindo comerciantes, sacerdotes e artesãos para os servirem nas suas cidades. As espadas flamejantes dos anjos eram espadas e lanças do exercito babilônio refulgindo ao sol, tecnologia que o povo hebreu ainda não tinha. O paraíso é uma referência comportamental e de ideal de vida.
E continuou:
- Mesmo nos primórdios da evolução humana, quando os primeiros primatas percorriam a terra em busca de frutas, legumes e caça, havia dias de paraíso e dias de inferno, quando, alternativamente, encontravam fartura e paravam nesse lugar até esgotar as disponibilidades, ou encontravam feras que devoravam algum deles. Feras não fazem carnificinas como os humanos, de modo que não morriam mais do que um ou dois humanos por ataque. Outros povos que viviam nas costas do mediterrâneo ou dos oceanos tinham uma vida um pouco mais tranquila, porque podiam entrar no mar para fugir das feras. Em cada grupo qualquer problema se resolvia, mas a ideia de um paraíso começou quando os humanos se defrontaram com as primeiras grandes e insuportáveis injustiças que causavam imensa dor: o confrontamento entre grupos diferentes de humanos, cada grupo evoluindo de forma a afastar-se de uma língua mãe, de preferências, de hábitos, na forma de pensar. Isto aconteceu quando o território de cada grupo começou a ficar limitado pelo território adjacente de domínio por outro grupo. Adão e Eva representam um desses grupos que deram origem a uma etnia, uma raça, um povo. Entre os primeiros hominídeos coletores e caçadores, até a época em que se formou a primeira etnia judaica, a dos hebreus, decorreram cerca de quatro milhões de anos, ou quarenta mil séculos. Judeus, cristãos e muçulmanos falam do paraíso de formas diferentes de acordo com o seu imaginário. Assim também os Vedas, os Taoistas, xintoístas, budistas, Sioux, Tupis. Todos os povos do mundo sonham com um paraíso primordial, quando a vida não lhes parecia que fosse tão difícil como nos dias de qualquer época. Não pode haver satisfação com injustiça.
E concluiu:
- Haverá um paraíso para cada ser humano e cada animal, e cada planta que tiver o mérito de a ele ter direito. Esse paraíso poderá ser aí mesmo, nesse planeta que habitas, tão lindo, um verdadeiro paraíso que já existe e que alguns daqueles que detêm o poder, teimam em mantê-lo como predadores que escravizam a floresta, dejetam nos rios, lagos e mares, enjaulam a vida. O paraíso pode ser aí, nesse planeta Terra, longevidades de séculos, milênios, eternos até, mas é necessária a vontade da maioria para que governem a Terra como os humanos querem e não como uma meia dúzia no poder quer.


Não me lembro de quando acordei, mas era o sétimo dia e me acontecia pela sétima vez.


₢ Rui Rodrigues


sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

OPINIÃO DA MARLENE SOBRE A POLÍTICA ATUAL

Se fizermos uma análise totalmente amadora, claro, nas redes sociais, principalmente no facebook, veremos pessoas que se posicionam como OPOSIÇÃO ao governo petralha. Há manifestações inclusive "em cima" dos atos, são rápidos para responderem, denunciarem, partilharem e nos dão a ideia de uma oposição imbatível!...

Quem olhar pode achar que há poucos com coragem de apoiar o governo e a situação, que a maioria esmagadora é OPOSIÇÃO, ao ponto de ficarmos imaginando se as pesquisas não são compradas, se as urnas não foram e são manipuláveis! Não sou profissional da área, nem sei qual parcela da população abrange todo esse contingente que é OPOSIÇÃO no twiter, facebook, de blogs e de grupos políticos abertos ou fechados aqui no facebook e dos quais até participo em alguns deles.
Mas o que sinto, fora pessoas de peso intelectual e cultural, jornalistas, articulistas, formadores de opinião mesmo, que se expressam na imprensa ou internet é que existe uma certa oposição, com críticas, denúncias, reflexões sobre a conjuntura política atual. Movimentos, petições, apoios, etc, são também encontradas na INTERNET.

Claro que mesmo votando em massa na OPOSIÇÃO, "fazendo a cabeça" de muitas pessoas, será INSUFICIENTE para ganhar uma eleição, quando lembramos dos milhões que recebem as famigeradas BOLSAS de tudo, que multiplicados por 3 pessoas por bolsa, fazem qualquer poste ser eleito! Os ignorantes não irão da noite para o dia politizarem se, abrirem os olhos e verem que são instrumentos usados e com o POVO PAGANDO A CONTA...
Mas quem faz as leis, quem se pronuncia ou vota, os partidos ditos de OPOSIÇÃO são débeis demais em relação ao rolo compressor que o governo faz com o NOSSO dinheiro, usando descaradamente a máquina a serviço exclusivo da perpetuação no poder. Fora todas as benesses oferecidas aos representantes legais na Câmara e Congresso, basta ver os disparates que votam e legislam! Mudaram algumas posturas logo depois das manifestações nas ruas, mas logo foi "providenciado" BADERNEIROS block tudo, que assustou e espantou as manifestações puras e espontâneas.

Não vejo oposição séria e contundente nos políticos que deveriam representar o povo mas só SE REPRESENTAM...
Temos que pensar de forma pragmática, até baseado nas pesquisas que apontam, junto com a possibilidade da reeleição, um descontentamento e uma vontade imensa de desejo de MUDANÇA e unirmos a oposição que está aí, NÃO HÁ OUTRA, e que haja uma dose menor de orgulho e vaidade e se pense em ganhar o poder para poder tentar fazer as reformas políticas que são necessárias, pois com os políticos que aí estão É IMPOSSÍVEL! Não querem perder as bocas e as vantagens, infelizmente. Desejar que cortem a carne deles é querer demais!
Fico angustiada e tento com as poucas armas que disponho tentar mudar e reverter esse contexto ao meu redor, como uma formiga, embora leve um banho gelado a cada nova descoberta horrorosa diária sobre o que é feito no país!
Proponho união mínima possível entre as oposições que se apresentam para ver se MUDAMOS alguma coisa... Continuo desanimada e triste em relação à política no país, mas também que está difícil aguentar o que temos!

₢ Marlene Caminhoto Nassa