Arquivo do blog

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

As belas pernas de Louise





O banheiro é arrumado, e o quarto também. No resto da casa não há uma ordem aparente, mas se tirarem algo do lugar, eu noto. Sou assim, cuido do essencial, o que é mais importante, o que me permite sobrar sempre tempo para tudo. Ou quase. Quando o pó incomoda, varro em um par de minutos e está limpo. Como não esperava ninguém, deixei o pó descansar, fui até o bar da cozinha e me servi de um Bourbon cow-boy. Dizem que whiskey é escocês, mas o Bourbon não lhe deve nada e não bebo a Escócia por mais que me seja simpática: Bebo o Whiskey que produzem por lá. E o da Irlanda também é bom. Tudo depende do carinho na produção. Mas isto foi apenas um devaneio para chegar á palavra “carinho”. Meu subconsciente me entende e de vez em quando aflora com os termos certos, parecendo que sabe o que quero. Passei a desejar Louise. Foi a primeira que me veio à cabeça entre velhas lembranças, antigas paixões, recentes desejos, premonições do futuro. Poderia estar aqui, todos os dias, mas não está nem estará porque o pó se tira quando incomoda e não todos os dias em horário pré-determinado. Nem pensar que é por causa do pó que ela não vive comigo todos os dias. Nada como desejar uma mulher e, para desejar, ela não pode estar disponível a qualquer momento, o que é muito diferente de dizer que não está disponível por qualquer motivo. Por isso elas se enlouquecem com amantes e nós, homens, também. Se os casamentos fossem assim, duravam mais. Ou não. Mas isso era outro devaneio meu. Nada tem que ser como deve ser para manter a curiosidade, a surpresa, o interesse e até o susto. Não podia imaginar, como estou imaginando, as belas pernas róseas de Louise emolduradas por sapatos pretos, meias de seda suavemente pretas, despontando desejos desde os pés até o encontro com a borda da saia, onde o real passa à imaginação, ou a imaginação passa à realidade quando a deixa cair suavemente. É uma viagem. Seus tornozelos perfeitos, uma leve barriga de perna, joelhos redondos, coxas fartas e bem delineadas. É o andar de Louise que, tal como numa orquestra, acompanha, emoldura, lhe realça as belas pernas e me provoca o desejo de ir mais além, por onde se pode entrar no paraíso dos delírios que, entre vais e vens nem sempre suaves, nem sempre emotivos, nos fazem explodir em alegrias muito mais intensas de quem sobe a pódios, é eleito presidente da república, ganha o prêmio Nobel, é pai pela primeira vez, ganha sozinho o prêmio da loteria. Sozinho? Bem, não creio que Louise tenha outro em sua vida. Não me julgo machista, mas ficaria meio desanimado de soubesse que só a perna esquerda – ou a direita – dela, é dividida comigo. Não é uma questão de direitos de propriedade sobre ela. È mais do que isso: É a doce ilusão de que sou o escolhido por ela para passarmos momentos íntimos e confidenciais, ou, ainda melhor, sou o “eleito”, “the one”, “o tal”. Resolvi fazer um teste tão infantil quanto minha compulsão para não dividir os meus amores com os outros. Quando chegou, e depois de bons momentos passados no frio, colados na cama, propus-lhe que fizesse uma tatuagem pequena na perna que a fizesse lembrar-se de mim. Gostou da idéia. Eu também, não só por sua demonstração de amor, mas também porque se eu tivesse um desafeto, certamente por ciúmes ele lhe pediria que fizesse outra na outra perna.

E o tempo passou. Vários encontros, e Louise nem é uma mulher realmente bonita. Para mim, é. Satisfaz meus desejos e meu ego. Melhor que chocolate no inverno.
Um dia chegou de meia calça preta, delineando-lhe as pernas e a silhueta, um sorriso maroto, adiantando a frase que me poria na expectativa de uma surpresa.

- Tenho uma surpresa para você, mas tem que me despir peça por peça.

Já tinha passado tanto tempo que já me esquecera de meu pedido para que fizesse uma tatuagem e jamais me passara pela cabeça fazer o pedido duas vezes. Então comecei a despi-la. Primeiro a blusa, depois o sutiã. Beijei-lhes os seios, os mamilos duros, em pé, pedindo-me que a despisse toda, lhe fizesse o corpo rolar na cama, levá-la ao êxtase.  Depois despi-lhe a saia. Fiz um pequeno intervalo e tirei minha própria roupa. Ser-me-ia impossível ver Louise nua e eu ainda vestido. Quando acabei, tirei-lhe a meia calça. Quando me preparava para lhe tirar os sapatos, eu vi. Eram duas tatuagens. Uma num tornozelo, pelo lado de dentro, e outra no outro, na outra perna.

- Fez duas, paixão? Perguntei-lhe mais curioso do que agradavelmente surpreendido.

-Fiz! – Respondeu. A da perna esquerda é para me lembrar de você. Escolhi um besourinho que sempre me anda cutucando o corpo e não pára quieto. A outra, um coelho, que é para me lembrar de meu pai que sempre me dava ovos de chocolate de Páscoa, enormes: Os dois homens de minha vida.

Fiquei tranqüilo. Louise, além das lindas pernas, tinha belos sentimentos, mas não estranhei muito quando anos depois se casou com Francivelto Nunes Coelho, famoso jogador de futebol.

Rui Rodrigues

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Crise mundial. Sou paciente. Tenho paciência.





Crise mundial. Sou paciente. Tenho paciência.

Já vi algumas revoluções acontecerem pelo mundo, mas nenhuma parecida com esta, que estamos vivendo, mas sei que também passará. Tudo nesta vida passa. O problema é sempre se passa antes que nós passemos também desta vida, ou depois.

Um dia darão na história um nome para esta revolução macia, surda, tramada nos bastidores da democracia e que está causando sofrimento no mundo inteiro, de norte a sul, de leste a oeste.

Trata-se, em suma, do assalto aos cofres públicos por empresas nacionais e multinacionais, ao redor do mundo, sob a alegação de que criam empregos.

Um resumo muito sucinto e compreensível poderá ser como este:

  1. Com a queda do muro de Berlim e a incapacidade do comunismo de resolver seus problemas de planejamento, produção, crescimento, cai o muro de Berlim como símbolo do inicio do fim do comunismo e cria-se um vácuo na política internacional: O capitalismo já não tem adversário. Os trabalhadores ficam órfãos. Os sindicatos começam a perder a força.
  2. Como numa balança, o capitalismo tradicional tende para a esquerda sem deixar de ser direita e o outro capitalismo, o da ambição desenfreada ou selvagem, ocupa a extrema direita.
  3. Inicia-se o processo de globalização. Governos de todo o mundo começam a vender o seu ativo: as Estatais, que já não davam “lucro” por serem cabides de emprego de políticos influentes, cada um na sua estatal, e que lhes exauriam as verbas. Como as estatais tinham prejuízo pela ação dos políticos, nada mais natural que essa corrupção se estendesse às novas empresas, modificando-se o sistema de distribuição dos “lucros”.
  4. O primeiro impacto foi a diminuição dos postos de trabalho. Para dar lucro era necessário enxugar as empresas que antes eram estatais. Muitos desempregados deixaram de poder pagar as suas contas nos bancos aos quais haviam pedido crédito. A força dos sindicatos continuou em descida.
  5. Em 2008 três Bancos deram sinais de inadimplência devido, ao que se legou, a deficiente administração nos empréstimos imobiliários. Apavorados com a possibilidade de uma crise nas proporções da de 1929, os governos de todo o mundo, comprados ou não pelos banqueiros, decidiram ceder verbas públicas, produto de impostos, a Bancos. A qualidade dos serviços públicos piorou, os governos ficaram sem lastro, as empresas de avaliação da capacidade de liquidez bancaria rebaixaram as notas desses países que cederam verbas públicas e a desconfiança no mercado se instalou definitivamente. Os próprios Bancos retiveram esse dinheiro com medo de não o terem de volta.
  6. O que se desejava evitar, a crise, diziam, ainda não terminou em 2012. Os juros subiram. Os Bancos ficaram com o dinheiro dos governos, receberam juros de até 200% ao ano de empréstimos em cartão de crédito no Brasil, e atingiu níveis exorbitantes na Grécia, na Espanha, na Itália, em Portugal e em outros países.
  7. Começaram os movimentos de indignados nas ruas, como o de NY, e os da Grécia, Inglaterra, Espanha, Itália. O Chile foi para as ruas reclamando melhor educação. Este movimento, nascido em 2010, terminou como por encanto em meados de 2012 sem que o panorama econômico mundial melhorasse.
  8. O mundo árabe da África do Norte exige democracia e explode na primavera árabe quebrando velhos tabus do Islã: Da vontade ou não de Alah, nenhum governante islâmico passaria a poder eternizar-se no poder.  
  9. O mundo, em 2012 entra numa fase de economia de guerra, todos os cidadãos e governos trabalhando para pagar dívidas a banqueiros.
  10. Os sindicatos já não têm a mínima força, a democracia transformou-se numa ditadura do capital, as grandes empresas servem os seus produtos como querem, os cidadãos não têm a quem reclamar, ou se reclamam não há quem os ouça e tome uma atitude. Impera o desânimo, empresas e governos reinam absolutos. O povo nem sai para as ruas. Governos extremistas e ditatoriais gritam seus últimos gritos impotentes. O capital tem que ser aberto às nações, como os chineses já foram obrigados a abrir seus portos no passado.
  11. Decresce a qualidade dos serviços porque os Estados são coniventes. Bancos e empresas  apresentam lucros Record, os ativos dos tesouros nacionais diminuem quase à beira da falência como nação.
  12. Sem confiança no mercado a nível internaional, o capital imobiliza-se esperando melhores dias, cai o emprego, os governos recebem menos impostos, mas ainda há o suficiente para satisfazer as ambições de empresarios, políticos, banqueiros. Um dia não será suficiente.  A crise arrasta-se.

Excelentes economistas “políticos” poderiam ter planejado esta crise como planejaram a de 1929. Eu não duvido.

No entanto, este relativo silêncio das massas cheira-me a “déjá vue”. Lembra-me o estourar de uma bomba atômica que ao explodir absorve as ondas de som, ficando tudo em silêncio... Depois explode e não deixa pedra sobre pedra.

Rui Rodrigues

Jogos – Jogos políticos – baixe agora para crianças de todas as idades


Jogos – Jogos políticos – baixe agora para crianças de todas as idades

O jogo baseia-se numa constituição e em formas de governar. É emocionante, e se não prestar atenção perde sempre... Sem choro nem vela.

O jogo começa com o seu voto e o de outros jogadores, em candidatos cujos perfis se podem ver em enormes painéis de propaganda política espalhados pela cidade. Num curto vídeo de cada candidato se pode avaliar a firmeza da voz, a entoação. Tanto cartazes quanto vídeos podem expressar sentenças falsas, isto é, os candidatos podem não corresponder ao perfil da propaganda política. Com muita sorte poderá acessar um perfil da vida pregressa de alguns candidatos numa manchete de jornal que aparece de vez em quando ao alcance dos jogadores. Deve ficar atento para ver se novas notícias aparecem para confirmá-las ou negá-las. O jogo termina ao fim de um processo que dura 8 anos (no jogo) e seus pontos serão avaliados de acordo com o seu sucesso no jogo. Sua vida melhorará ou piorará de acordo com o candidato que escolheu para dar seu voto, e suas atitudes na vida. Se vender seu voto, perde o jogo e a vida porque o país vira um inferno sob a lei dos que se apropriaram de sua vontade, de sua opinião.

Opções do jogador: Ao entrar no jogo você pode escolher as seguintes profissões:

Trabalhador braçal e professor - Os salários são baixos. Se tiver dinheiro e tempo, pode fazer cursos para melhorar o seu nível de conhecimento e concorrer a melhores empregos. Se gastar sem controle ou se divertir, vai para o lixão e acaba o jogo. Como a diversão custa caro, vá até o espelho e ria de si mesmo. Assim não gasta nada.

Técnico – Idem trabalhador braçal, porque o seu “status” na vida o faz gastar em roupas e outras demonstrações de posição, e acaba tendo quase a mesma sobra de salário do trabalhador braçal ou até menos.

Curso Superior – Idem Técnico, idem.

Forças armadas e da ordem – Idem, pode morrer atrás de bandidos e só ficará rico se fizer mutretas, mas cuidado que pode ser descoberto e perder não só a farda como até as cuecas, sendo expulso da corporação. Ainda tem mais uma chance: Passar para a marginalidade, mas vive pouco tempo porque não só a polícia como os outros bandidos estarão sempre atrás de você.

Servidor público – Idem forças armadas e com aposentadoria garantida. Mas cuidado. Se caguetar as maracutaias de seu chefe, pode perder o cargo, o emprego e ficar numa saia justa, ou pode ser manchete como herói da honestidade, exemplo para o país.

Professor Universitário – Só não ensina antimoralidades e assuntos antiéticos. Ganha razoavelmente bem.

Empresário - Compra, vende empresas, administra, almoça e janta muito para fazer negócios. Reúne-se ainda mais e muitas vezes, muitas vezes, obriga todo mundo a comer sanduíches porque não há tempo para almoçar. Viaja muito, de forma que quem toma conta das empresas não é o empresário. Ele só diz o que quer. Financia as campanhas dos políticos e ajuda-os a abrirem contas no exterior. Viajam muito por conta das verbas públicas, com o presidente da nação, a título de “fazerem” negócios para o país, mas na verdade o presidente está é vendendo os produtos das empresas que lhe pagaram as eleições e publicam na mídia a seu favor. Se o candidato a presidente não tiver um dos dedos da mão, abra o olho... Ele muda da esquerda para a direita com muita facilidade e você nem percebe. Ele junta-se até a ex-presidiários por corrupção. Não acredite nunca nas pessoas que ele indica para cargos públicos e muito menos para presidente ou presidentA.

Político – Ganharia quase sempre, por isso esta profissão não está disponível neste jogo. Mas cuidado. Podem declarar guerras sem perguntar a ninguém, podem modificar a constituição, podem mudar as leis, aumentar impostos, aumentar juros, tornar sua vida num inferno. Emitem propaganda paga pelos cofres públicos dizendo que tudo vai bem, e você vendo que cada ano se recolhe mais impostos e cada vez os transportes públicos ficam piores quebrando e chegando atrasados, ruas com esgoto a céu aberto e sem pavimentação, falta de água encanada, assaltantes à solta pelas ruas roubando e matando, drogas para todos os lados, e roubam muito das verbas públicas se não tomarmos cuidado. Em especial, cuide bem dos programas de governo, do tipo sua casa sua vida, água pra todos, aceleração de crescimento, porque na maioria das vezes, como as idéias desses programas são realmente muito boas, só servem para alocar verbas públicas a esses programas e depois desviá-las através das construtoras e outros meios. Depois de oito anos verá que se gastou muito e não se fez nada nesses programas. E se o programa incluir estradas, cuidado... Depois o governo vende-as a preço de banana para nos cobrarem pedágios caríssimos.

Chefe de Igreja, pastor, sacerdote - Idem político com a agravante de que ganharia sempre. Não está disponível neste jogo. Além do mais alguns se candidatam a cargos públicos, metem-se em política, o que é um jogo desigual: Basta pedir nos templos que além das esmolas e dízimos ainda lhes dão votos, não porque mereçam como administradores de uma nação, mas dão-lhes os votos por fé e para não se sentirem mal nos templos.

Vamos jogar, ou este jogo você já conhece e já está jogando na vida real?

Mas nem tudo está perdido... Com a democracia participativa[1], nada disto pode acontecer porque para tudo dependerão de seu voto dado instantaneamente pela Internet. Tudo se decide mais rápido e os políticos não terão como roubar-nos nem declarar guerras sem nos consultarem. 

Rui Rodrigues

domingo, 23 de setembro de 2012

Destruam as Twin Towers e 3 outros engôdos políticos



Destruam as twin Towers e outros 3 engôdos políticos

  1.                  
  2. Salvem o Partido Republicano Português– Portugal entra na 1ª Guerra Mundial[2]
  1.                  
  2. Afundem o Lusitânia[4] – Os EUA entram na 1ª Guerra Mundial.
  1.                  
  2. Destruam as Twin Towers – E os EUA invadem o Afeganistão e o Iraque.
  1.                 
  2. Acabem com o mito Bin Laden.  
  • As afirmativas de testemunhas de que Osama Bin Laden estava morto meses após o 11 de setembro de 2001, como afirmou Steve Pieczenik, e que tinha sido visitado por membros da CIA com a qual já tivera contato antes, durante a invasão russa do Afeganistão. Há quem afirme que Osama cooperou com a CIA durante seis anos.
  • Terrorista tão importante, até então nunca encontrado, esconde-se numa casa de uma rua nas imediações de uma base das forças armadas do Paquistão, e nem a CIA nem a Inteligência do Paquistão sabiam disso;
  • O DNA de Osama foi extraído pelas forças armadas dos EUA e o corpo jogado ao mar. Como já tinha falecido antes enquanto sob supervisão da CIA, o DNA deve ser verdadeiro, mas feito muito antes, em 2011 provavelmente;
  • Pode realmente ter acontecido de terem enganado Steve Pieczenik, dizendo-lhe que Obama tinha morrido e em vez disso terem conservado o terrorista vivo até que fosse interessante matá-lo, e neste caso, a CIA e o governo do Paquistão o acobertaram em Abbottabad, justificando assim que “nunca” o tivessem encontrado até o dia 02 de maio de 2011.




Salvem o Partido Republicano Português; afundem o Lusitânia; Destruam as Twin Towers; Acabem com o mito Bin Laden.  



Um dos métodos da política é lograr os objetivos de forma convincente para a opinião pública ou deixá-la em dúvida, não importam os métodos.

Alguns casos na história mais recente nos fazem pensar nas hipóteses que, com o mesmo sucesso nos objetivos políticos que certos políticos lograram obter, também os explicariam. Em democracias participativas isto será mais difícil de acontecer porque os tipos de políticos que temos tido ao longo da história jamais teriam oportunidade de nos imporem a sua vontade sem nos consultarem, e isso não interessa aos políticos atuais (Ver Democracia Participativa [1]).


                                               soldados portugueses entrincheirados- 1a guerra

Por volta de 1900 -1925 a situação econômica portuguesa era um completo desastre. Portugal não tinha créditos na Banca internacional. A economia regia-se pelo padrão ouro e a moeda portuguesa desvalorizava-se em face do declínio constante da remessa de divisas ao continente pelos emigrantes portugueses no Brasil[3].
Sabendo desta situação, Alemanha e Inglaterra negociavam a divisão de Angola e Moçambique, o que restava de mais importante do Império português na África. Não podemos esquecer que o Kaiser Guilherme II era filho do Príncipe-Herdeiro Frederico da Prússia, depois Frederico III, da Alemanha e Prússia, e de sua esposa, a Princesa Real da Grã-Bretanha, Vitória(filha da Rainha Vitória de Inglaterra). Sua mãe era tia da Imperatriz Alexandra (a mulher do Czar Nicolau II da Rússia), e a irmã do Rei Eduardo VII de Inglaterra. A Rainha Vitória de Inglaterra era sua avó, o que aparentemente facilitou as negociações entre as duas potências.
Em 1910 há um golpe de estado em Portugal, destituindo a monarquia e estabelecendo a república, mas a situação econômica não melhorou. Os membros do governo republicano não tinham experiência em gerir uma republica e dificilmente se manteriam no poder. Em 1914 deflagra-se a 1ª guerra mundial, e o partido no governo, o PRP – Partido Republicano Português vê na sua entrada na guerra ao lado da Inglaterra com quem mantém aliança até hoje – O Tratado de Windsor - uma excelente oportunidade para resolver todos os seus dilemas: Inglaterra e Alemanha estavam agora em lados opostos, a atenção sobre a insatisfação política (não havia pão para comer) seria desviada para a guerra; alguma ajuda ou condescendência viria da Inglaterra e de seus aliados. Ms nem Inglaterra nem a França se mostram interessadas. No dia 17 de fevereiro de 1916 finalmente a Inglaterra e a França se interessam e a Inglaterra pede que Portugal aprisione nos portos portugueses navios de bandeira alemã para compensar as perdas nos ataques a navios mercantes aliados. Só nesse dia, o governo português aprisionou 72 (setenta e dois) navios alemães e Austro-Húngaros, estes aliados da Alemanha, ao abrigo do Decreto 2.229. Com esta atitude o governo providenciava para que fosse a Alemanha a declarar guerra a Portugal e não o contrário, passando-se por vítima das “circunstâncias”.
Dia 06 de março de 1916, o embaixador alemão em Lisboa, Friedrich Von Rosen, entrega a declaração de guerra a Portugal. Sem contar os portugueses mortos pela fome e por doenças devidas à falta de cuidados públicos - pelo desinteresse dos governantes - morreram na guerra cerca de 2.200 portugueses, e pela relação estatística entre mortos e feridos do total de vítimas mundiais, outros 2.200 devem ter ficado feridos.
Como se pode notar, é deplorável o que governos podem fazer contra as suas populações para conseguir os seus objetivos, nunca relacionados com o bem-estar dos cidadãos. Não se vê nada de essencialmente diferente nos dias de hoje em que Portugal vive nova e terrível crise econômica, esta mesma também fruto de administração deficiente de governos que para salvar três Bancos nos EUA desencadearam uma cessão de fundos financeiros provenientes dos impostos governamentais, em todo o mundo, para tentar sufocar a onda de descrédito mundial nos sistemas políticos e no mercado.



O Lusitânia afundado pelo U-20

Uma ordem dada durante um inocente jogo de golfe em dia nevoento, sem testemunhas, dificilmente fará parte da história a menos que algum dos envolvidos o declare, e mesmo assim, sem testemunhas, o crédito da veracidade fica por conta da fé de quem toma conhecimento. Parece ser o que aconteceu com o afundamento do navio Lusitânia em 07 de maio de 1915. O Lusitânia, um navio “irmão” do Titanic, era o mais veloz e sofisticado da época, com móveis em estilo Luiz XV em seu interior, salas de estar com painéis de mogno e lareiras com mármore de Carrara. A Inglaterra estava em guerra contra a Alemanha e o império austro-húngaro desde 1914, e os EUA permaneciam na neutralidade. Nada parecia mover os EUA para o confronto, e a Alemanha não tinha o mínimo interesse nisso, cuidando para não afundar, nem por engano, nenhum navio de bandeira americana. O que poderia então fazer envolver esta rica e emergente nação, tão longe do cenário de guerra?
O repórter inglês Colin Simpson, do jornal londrino Sunday Times, trabalhou durante seis anos no tema do Lusitânia e do seu afundamento em frente à pacata cidade de Kinsale à beira-mar, no sudoeste da Irlanda. O Lusitânia foi construído a partir de um acordo entre o Almirantado Britânico e a Cunard. Segundo os termos, em caso de guerra ele seria retirado do serviço de passageiros e convertido em cruzador armado. Por isso tinha suas máquinas, caldeiras, depósito de combustível e controles vitais instalados abaixo da linha de água, como qualquer navio de guerra. Em setembro de 1914, o Almirantado britânico muda de intenções. Informa o comandante do Lusitânia, William Thomas Turner que passaria a, além dos passageiros, transportar armas e munições, secretamente, nos porões do navio à disposição da marinha britânica.
Em abril de 1915, o capitão chega a N. York com seu navio, o Lusitânia e lê a notícia publicada em 50 jornais americanos e em todos os jornais do mundo: A Alemanha afundaria todo e qualquer navio de bandeira inglesa ou de seus aliados. Da Inglaterra, o capitão Hall, da Inteligência Naval informou a Turner que tratara de armar um ostensivo patrulhamento na rota do navio e garantiu que o Lusitânia poderia regressar sem maiores preocupações, com algumas centenas de passageiros americanos a bordo. No píer 54 do porto, além dos passageiros americanos recebeu em seus porões uma estranha carga: Caixas informando conter queijos, outras manteiga, 1 638 lingotes de cobre e 51 toneladas de granadas, entre outras mercadorias. Um carregamento tão variado quanto altamente explosivo. Há outras versões[5] da carga, mas todas elas contendo explosivos.
Foi também informado pelo almirantado que quando chegasse perto do porto inglês de Fastnet, o Lusitânia receberia a escolta do cruzador inglês Juno. Da Alemanha, sem que soubessem, o submarino alemão U-20 comandado pelo capitão Schwieger também partia para Fastnet, na Irlanda. Existe farta documentação do almirantado, o diário de bordo do comandante Turner a respeito deste controverso assunto, mas o fato é que o cruzador Juno não compareceu para escoltar o Lusitânia, e mesmo depois do U-20 afundar a escuna inglesa “Earl of Latham”, na rota do Lusitânia, o almirantado não tomou nenhuma atitude. Pior ainda, o almirante Coke enviou mensagem – que o almirantado nega apesar de cópia em seus arquivos - mandando que Turner desviasse para Queenstown – o que acabou facilitando as coisas para o U-20, colocando o submarino e o Lusitânia em rota de encontro. Ninguém avisou Turner que o Juno não seria deslocado para protegê-lo. Às 14:09 do dia 07 de maio de 1915 o Lusitânia sofreu duas explosões matando dentre 1201 pessoas, 128 americanos causando a entrada dos EUA na primeira guerra mundial. O Lusitânia afundou em 18 minutos. O socorro demorou 4 horas a chegar ao local apesar da proximidade da costa
Winston Churchill era nada mais nada menos que o primeiro Lorde do Almirantado britânico na oportunidade, e esta jogada certamente o ajudou na sua carreira para primeiro ministro britânico anos mais tarde. Lorde Mersey, que, na época, presidiu o nebuloso inquérito sobre o afundamento do Lusitânia, não teve qualquer dúvida a respeito e afirmou com repulsa: "Foi um negócio sujo do começo ao fim". Tais são as coisas da política quando entregues a políticos tal como os conhecemos e que por falta de inteligência usam o que têm de melhor: a esperteza. Afinal, bastava apenas que "alguém" mandasse a espionagem informar à inteligência alemã que o Lusitânia carregava armamentos, dias antes de a Alemanha anunciar que afundaria qualquer navio... Quem teria sido?


 Terroricídio

Os EUA precisam de petróleo bruto em quantidades garantidas, entrando todo o dia em seus poços esgotados e que estão sendo reenchidos como ação estratégica para entrar no processo produtivo e de consumo. O petróleo é fundamental para suportar a indústria automotora, aquecer as casas nos tenebrosos e frios invernos, abastecer a industria de polímeros, a industria de química fina e de uma imensa quantidade de produtos. Tem que haver fontes de suprimento que garantam a constância do suprimento e um preço razoável.  Em países de menos expressão política, quando falha o suprimento e o preço sobe, a economia adapta-se. Os EUA não cogitam em adaptar nada, porque empresários, exército e políticos estão intimamente unidos como irmãos siameses. O povo americano é o celeiro deles. Até se pode entender isso de forma compreensiva. O problema só aparece quando se verificam situações confusas, mal explicadas para quem tem um mínimo de conhecimento como é o caso de, em toda a gestão de novo presidente americano se declarar uma guerra, como hábito, costume, demonstração ao povo de que mundo é uma arena gerida pelos EUA. O povo sente-se forte, poderoso, e reelege. Bush caiu também nesta armadilha, até porque foi o presidente perfeito para o sistema: Empresários e militares lhe disseram, faz, e ele fez. Esconderam o que tinham que esconder, e ele nem procurou saber. Entrou como um asno na política, saiu rindo esfregando uma orelha na outra, zurrando. Esse não escreverá as suas memórias porque deve ter uma péssima redação e não conseguiria concatenar as ideias.
Exercito e empresários precisavam de petróleo urgentemente por volta de 2011. O petróleo do Iraque era uma tentação e a ocupação deste país já fazia parte dos inúmeros planos de invasão preparados com antecedência, atualizados a cada mudança de cenário. Mas como conseguir o petróleo iraquiano[6]se Sadam Hussein, ditador vitalício do Iraque, ferrenho antagonista dos EUA, fazia acordos de fornecimento[7] com outros países como a Holanda, a união Soviética, a França, a China?  Fazia-se necessária uma ação que justificasse nacional e internacionalmente uma invasão do Iraque.
Alguém se lembrou de Osama Bin Laden, um antigo cooperador da CIA no Afeganistão durante a invasão russa e que jazia num leito de hospital em Dubai, acobertado pela própria CIA, sofrendo de uma doença incurável, a síndrome de Marfan, meses antes do 11 de setembro de 2001. Tinha sido um terrorista, e esta prática mata inocentes, o que não é justo. Morreu realmente em 2001 como afirmou Steve Pieczenik [8] que foi subsecretário de Estado em três administrações diferentes: Nixon, Ford e Carter, num complexo de cavernas em Tora Bora. Disse que poderia provar estes fatos. Mas para os efeitos, Bin Laden era um elemento perfeito para responsabilizar como autor de atentado que movesse a opinião pública mundial a favor dos EUA, e no inquérito que se fez posteriormente sobre o 11 de setembro e Bin Laden, suas declarações foram desprezadas[9]. Assim, no dia 11 de setembro de 2011, os aviões decolaram com terroristas a bordo em ação engendrada pela rede de Osama e muito provavelmente como disse Pieczenik: "Eles conduziram o ataque", nomeando Dick Cheney, Paul Wolfowitz, Stephen Hadley, Elliott Abrams e Condoleezza Rice, entre outros que estavam diretamente envolvidos. As Twin Towers – Torres Gêmeas foram completamente destruídas, não intencionalmente, mas por erro de avaliação do impacto sobre as estruturas que não suportaram o desabamento do andar atingido e os desabamentos sucessivos sobre os andares inferiores.
Ainda em 2011 os EUA invadiram o Afeganistão a pretexto de capturar Bin Laden.
Em 2003 os EUA e a Inglaterra invadiram o Iraque [10]ajudados pela imbecilidade de um ditador vaidoso, sanguinário, Sadam Hussein, que não soube avaliar a sua real dimensão, e contra a aprovação da ONU. Os países que tinham contratos de fornecimento de petróleo com Sadam, a abrigo de um falso programa iraquiano de “petróleo contra a fome”, vetaram a invasão.  A invasão do Iraque deu-se a pretexto da posse do Iraque de armas de destruição em massa, o que nunca foi comprovado. Nem rastro delas. Uma mentira proposital e com alvo certo.
Um morto não pode ser responsabilizado. Alguém vivo deu a ordem: Atentem contra as torres gêmeas! Culpem Bin Laden.

Comparação de fotos divulgadas -Photoshop?

Falecido de doença natural em 2001, um par de meses após o atentado das torres gêmeas pelo qual foi responsabilizado, o mito Bin Laden foi mantido enquanto os EUA tinham interesses no Afeganistão e no Iraque onde permaneceram até recentemente. Com a crise econômica de 2008 e os altos custos de manutenção de forças armadas caras, bem equipadas, urgiu a retirada. Bin Laden agora poderia morrer pela segunda e definitiva vez. Teria sido “re-morto”[11] numa cidade do Paquistão, Abbottabad, numa operação teatral com direito a transmissão ao vivo exclusivamente para a Casa Branca.  
Porque o mundo não é tonto a tempo inteiro e sempre há alguém denunciando, o que reforça o direito às duvidas sobre as afirmativas sobre a operação são alguns detalhes:
Estes quatro tópicos demonstram que o poder que se dá a nossos “representantes” lhes permite tomar atitudes, agir, de forma tal que os cidadãos perdem todo o controle do que está realmente acontecendo, e que nos podem enganar no campo da economia, da saúde pública, nas contas públicas, na segurança pública e em qualquer outro campo, e atualmente na censura na NET em nome de ação contra o terrorismo, por um motivo muito simples: Os governos representativos tornaram-se uma organização dentro do estado da nação, que age à revelia dos cidadãos. Ora isto, não é uma democracia verdadeira.
Rui Rodrigues


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Tempestade russa no Pontal do Peró





Tempestade russa no Pontal do Peró

Lembro-me, quando garoto, minha avó rezando a um santo para que as tempestades passassem longe ou fossem leves. Eu tinha meus sete anos e ela me aconselhava a não me aproximar das janelas. Quando mais tarde aprendi que o vidro é um bom isolante, o ficar perto das janelas já não me preocupava. Mais tarde aprendi tudo o que um engenheiro necessitava saber sobre eletricidade mesmo cursando engenharia civil. A partir daí eu, que já não tinha medo de tempestades, comecei a gostar delas. Nada melhor do que uma tempestade para que nos possamos sentir integrados à natureza, percebermos nossa fraqueza e nossa grandiosidade.  Pior ainda que naqueles tempos da década de 50 elas chegavam de repente, sem avisar. Éramos apanhados no meio da rua, no meio do campo, no meio do mar, em pleno ar. Já no Rio, aprendi logo que quando as coisas ficam muito feias, dizemos “a coisa ta russa”. 

Desde ontem que a defesa civil de Cabo Frio avisara que poderia cair granizo e aconselhou a população a não sair para a rua. Logo imaginei uma tempestade do tipo a coisa ta russa. A última vez que caiu granizo lembro-me bem, eram enormes pedregulhos, quebraram-se muitas telhas, muitos galos nasceram em muitas cabeças, e a própria prefeitura se encarregou de distribuir telhas grátis para a população carente. Não dá nada, mas dá telhas. Mas como não há uma tempestade igual á outra e eu já passei por muitas, aguardei esta com ansiedade. Agora havia a NET e eu também podia avisar o pessoal da região, se a energia não caísse, o que é costume nestas ocasiões. Passei a manhã toda esperando a tempestade, nada!

Às 17:15 notei que começou a escurecer e a temperatura baixando rapidamente. Fui para o computador e publiquei no Facebook em duas páginas da região:

“ATENÇÃO PESSOAL: PANELAS NA CABEÇA!!! VAI CAIR PEDREGULHO DE GRANIZO!!! Sai de baixo!!!!!”

E saí para a porta da frente.

Chegava uma nuvem como se fosse um cogumelo de pé curto, branca, circular, algodoenta, em meio a nuvens negras como breu, trovoadas ao longe. Medi mentalmente o tempo entre a visão dos raios e o barulho dos trovões, em segundos, e multipliquei por 240 para ver a que distância estavam caindo os raios. Caiam a cerca de 1.500 metros, depois 800, depois 400, e de repente o clarão e a imediata chibatada, como chicote de Hércules – Hércules não usava chicote, mas se usasse deveria ser muito grande e fazer um barulhão – Esse caíra a uns cinqüenta metros e meus ouvidos estiveram a ponto de zunir. As árvores balançaram como plumas de avestruz levando tapas do Hércules, e a chuva caiu como tromba de elefante que espirra por resfriado forte. As portas de vidro da sala inflavam e desinflavam com a força da pressão do vento. Pensei que tudo iria alagar. A tempestade estava ali, e outra realidade era aquela voz de garota russa ou ucraniana (acho que era russa) loura, olhos azuis, meio inocente, meio sacana, meio carente, meio ávida, mas com a pele completamente rosada, que me dizia em russo num sussurro vindo do sofá da cama:





- Приходите Rui, хотят играть с гуся, да? (Eu não entendi o que ela dizia, mas entendi que me chamava pelo nome e imaginei o que queria).

Fiquei com ela no sofá, tal como uma tempestade. Primeiro devagar, de mansinho, quase que despercebidamente, como quem dá uma caixa de bom-bons de surpresa. Aquela pele era de me deixar louco, os lábios carnudos e úmidos como o interior de um “petit gateau” de morango. Era doce aquela russa perdida no turismo de praia da região e que me tinha encontrado. Queria renegar a bandeira russa, pedir asilo político, xingar o Putin, mas os tempos eram outros e era muita areia para eu carregar no meu caminhão por muito tempo na vida. O mais certo seria se apaixonar por um turista americano desses que passam a vida fazendo surf, caladinhos, cada um no seu canto como quem não quer porra nenhuma, e voar com ele para Honolulu para pedir asilo político ao Obama. Eu ficaria com um par de chifres daqueles de boi de raça “barrosã” que os tem extremamente longos e que não nos deixam passar pelo portão nem do Kremlin.

E enquanto pensava nisto, ouvia-a dizer-me no ouvido enquanto a penetrava:

-   да ... да ... так что ... Подробнее ... Засуньте это до крыльев гуся .. О! Быстрее ... С силой .. Таким образом, вы меня убить ...

Quando nos desmaiamos no sofá, abraçados, perguntou:

- У вас есть водка ?

A ultima palavra soou-me a vodka, mas como não tinha, apanhei uma garrafa de “cabernet sauvignon” e servi em dois copos. Fomos olhar a tempestade que se afastara, mas já anoitecera. A chuva agora era fina e não caíra nem uma pedra de granizo. Não importa... Nem vinho nem водка se tomam com gelo. Depois de três dias aqui, a russa partirá não sei para onde, nem sei por quanto tempo se lembrará de mim ou eu dela.

Pela TV – a energia não falhou – soubemos que cabo Frio tinha alagado, uma árvore caíra sobre uma casa comercial no centro. Nada como não estar no lugar errado, na hora errada, na tempestade errada, na cidade errada. Bom mesmo é estar no lugar certo, na hora certa, na casa certa, com a russa toda certinha depois da cortina de ferro se ter fechado, agora toda aberta.

Mentalmente comecei a dizer adeus a Irina Korolenko.

Rui Rodrigues.

Lucy descobre que economês e latim não se bicam


·                                

Lucy decidiu aprender latim. Claro que não queria chegar a níveis extremamente elevados, mas, assim, apenas para “dar pro gasto” como dizia um dos seus tutores. O começo foi excitante. Lucy leu a expressão “Qui nimium probat nihil probat”. Sem acesso ao Google, teve de recorrer ao professor Higgins, e este lhe explicou, algo enfarado, que aquele que prova muito acaba provando é nada.
- Que interessante! – opinou Lucy – então acumular excesso de provas acaba enterrando o que desejava provar, o tal “quod erat demonstrandum” vai pra o vinagre? Isso se aplica ao tal Mensalão? Ou ficamos apenas com o “Quivi praesumitur bônus donec probitur malus”, ou seja qualquer um é presumido bom até provar que é mau.
- Exato, vejo que percebeu.
- Mas nesse caso, para provar a culpa, precisamos de provas. Muitas provas. Então como fica o tal nimium probat.
- São necessárias provas, mas não um monte , para evitar que o público e os magistrados adormeçam.
- Então vamos falar um pouco a respeito da economia deste país. “Ceteris paribus”, ou seja, mantendo constantes as demais condições, estamos preocupados com o quê? Vamos imaginar que apenas um dos elementos da nossa análise matinal esteja mudando, e vamos tentar entender o que parece preocupar esse pessoal que debaixo de uma fachada de otimismo passa seu tempo roendo as unhas de preocupação.
De onde será que a Lucy tirou isso?
- O ministro Manteiga, cujo nome se traduzido em italiano daria...deixa pra lá, ostenta sorrisos de propaganda de dentifrício e alardeia um desempenho maravilhoso para nossa economia, enfim a economia de vocês, que seria ainda melhor não fosse o desempenho da economia chinesa. Ele fala também num tsunami monetário, mas como não sei o que é tsunami, não comentarei essa parte. Estamos desesperados porque a China crescerá apenas algo como 7% este ano. OK. Primeiro é saudável. Crescer todo ano a 10% é uma impossibilidade, comparável à anedota do inventor do jogo de xadrez que pediu como recompensa um grão de trigo pela primeira casa, 2 pela segunda, 4 pela terceira e assim por diante.
- Chega de anedotas! – Lucy percebeu que o interlocutor mantinha uma aparência severa. Já que o taciturno, sorumbático, macambúzio tutor parecia impermeável a uma abordagem jocosa, resolveu prosseguir num tom neutro.
- Suponhamos que a China (com seus imensos estoques ociosos de moradias, carros etc.) cresça 7% este ano.
Suponhamos ainda, para simplificar – Lucy já conhecia, ainda que superficialmente a teoria das matrizes insumo-produto de Leontieff, mas resolveu simplificar - que o único fornecedor estratégico da China sejamos nós. Imaginemos que a China seja um monopsônio e que nós não tenhamos outro destino para nossas exportações. Nada de mencionar nossas exportações para o Tadjiquistão, Bulgaria e Namíbia por exemplo. Significa que se antes, em 2011, exportávamos 100 unidades de qualquer coisa, este ano exportaremos 107, com crescimento de 7% (mantendo nossa participação na importação chinesa, cela va sans dire), muito melhor que o crescimento do que esse nosso PIB que dificilmente crescerá 2% em 2012.
ONDE ESTÁ O DRAMA? – A exclamação de perplexidade de Lucy justifica a “caixa alta”. Se vamos crescer só aqueles míseros 2% - tomara – a causa deve ser outra.
- Bem, Lucy, esse negócio de se lava sem dir não entendo porque não falo italiano, mas você mesma disse que eles estão com estoques enormes e que falta digerir tudo isso antes de retomar a marcha batida para frente e para o alto, acrescento eu, seu dedicado mestre.
- Concordo, querido professor, mas supondo – não tenho receio de tornar-me redundante - que a economia chinesa não passe de uma matriz 1x1, na qual sejamos os únicos fornecedores, ao invés de produzir 110 , produzirão 107. Então, quem exportou no ano anterior 100, agora exportará 107. Isso é tão ruim?
- Lucy, você se esquece de que havendo quantidades demandadas menores, os preços caem e as 107 unidades exportadas renderão até menos que as 100 do exercício anterior.
- Mas por que falar quantidades menores? Mutatis mutandis, em 2011 eram 100 e agora serão 107! Até concordo com o conceito elasticidade preço da demanda, mas isso ainda não me satisfaz. Ceteris paribus algo está errado. Mestre, poderia ter me derrubado se dissesse simplesmente que o crescimento das exportações não determina necessariamente o crescimento do PIB. 1 x 0 para mim.
-Lucy, trouxe sua lição de Física? Não tenho tempo para suas divagações. Esses detalhes me cansam. De minimis non curat praetor. Isso sem contar que para discutir Economia, precisamos de letras gregas não de frases latinas!
- Já que magister dixit, obedeço. Cá está a série de problemas resolvidos.
- De qualquer maneira, saiba que nosso crescimento ainda há de causar inveja e posso trazer provas acachapantes.
- Não será necessário. Depois que aprendi que Qui nimium probat nihil probat, estou sem vontade de examiná-las.
-Tá bem, Lucy. Depois, para continuar em busca da verdade, convido você para tomarmos um bom vinho. In vino veritas.
-Hâ?

Por Alex Solomon

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

CHINA , presente e futuro -中国,现在和未来


CHINA , presente e futuro -中国,现在和未


1 – Um pouco do passado

Em 1949, ao fim de uma longa guerra civil, a China transformou-se em um país Comunista. Era moda, a juventude mundial queria mudanças, não se conhecia a Democracia participativa, e em todo o mundo, desde 1917 quando o comunismo apareceu pela primeira vez na Rússia, o mundo começou a mostrar uma tendência no sentido de seguir o comunismo. Nos anos seguintes e até bem pouco tempo, existiam mais de 60 países comunistas em todo o mundo. Hoje existem apenas dois, que nem o são tanto assim: Coréia do Norte e Cuba, sendo que Cuba atravessa um momento de incipiente transição para o capitalismo, até agora o grande vencedor da contenda sem que para isso houvesse uma guerra ou revolução mundial para “instaurar” o capitalismo. No entanto sofre-se com o capitalismo porque não é acompanhado da verdadeira democracia, a participativa.[1] A China já não é um país comunista. Isso está patente em sua economia, na crescente liberdade dos cidadãos para montar negócios, exportar, e principalmente pelas diferenças sociais que estão totalmente contra qualquer filosofia comunista. São muitas as diferenças sociais e estão aumentando.

De 1949 até hoje, a China tem sido uma ditadura imposta pelo Partido Comunista Chinês que não pergunta o que o povo quer: Faz, ou mal ou bem, em nome do povo. O povo não depende de si mesmo e é refém dos atos de governo. Com mudanças muito lentas, a China não será democrática nem nos próximos 50 anos, a menos que apareça gente corajosa como o desconhecido de Tianamen. 



2 – A China de hoje

A China é o segundo maior país do mundo em área e tem uma população à volta dos 1.4000.000.000 habitantes. É também a segunda economia do mundo. Possui cerca de 116 milhões de analfabetos[2], 150.000.000 de pobres[3] e é o primeiro do mundo em acidentes de trabalho, fortes sinais de que a preocupação maior do governo chinês não são os cidadãos, mas a produção industrial. Para ser comunista não poderia ter tamanhas diferenças sociais, tantos analfabetos e a mortalidade infantil não poderia beirar os 53 por mil habitantes. É um descaso pela cidadania, tal como em qualquer país falsamente democrático como são os que adotam a Democracia Representativa, que colocou nas mãos dos banqueiros o capital público gerando a crise de 2.008 e as suas conseqüências.


Os salários são relativamente baixos se comparados aos ocidentais de países de mesmo escalão. Uma diferença em dólares de cerca de 300% inferior[4]. Só como exemplo, enquanto um operário especializado ganha cerca de 1.500 dólares no ocidente, na China ganha meros 500 dólares. O ocidente não tem como competir com a China enquanto os salários dos chineses e outras medidas de política comercial não evoluírem na China.


No contexto mundial, é considerada como uma economia emergente, mas na verdade é uma potência mundial, com tecnologia de ponta, armas nucleares, forças armadas modernas e bem equipadas. É um grande país do presente. Se vier a ser um grande país do futuro, de forma constante, isso estará nas mãos do povo chinês, porque muitas mudanças serão necessárias e não se sabe até que ponto os cidadãos chineses gritarão por elas. A pressão do Estado chinês, uma ditadura, ainda é muito grande, e sem democracia as partes mais fracas não são ouvidas, perdendo-se assim o rumo do progresso que passa a ser propriedade dos que dirigem a nação. Sempre foi assim na humanidade e não será diferente na China. Nos paises democráticos o povo exige em massa e o governo é obrigado a atender. Na China, nos dias de hoje, isso não se consegue. O Estado é fechado a “sugestões” que vão contra os seus interesses. A vaidade de governar e de mandar ainda se faz muito presente na China, por medo de que a política tome “outros rumos”.

3- A China do futuro




Na década de 60 o mundo ocidental, em plena guerra fria, alertava para o perigo da “onda amarela”. Temia-se uma invasão de chineses, todos comunistas, obrigando à leitura recitada, sem raciocinar, do livro vermelho de Mao tse Tung. Mao Tse Tung morreu, o livro vermelho serve para calço de mesas velhas roídas pelos cupins, a China já não é comunista, e a onda amarela chegou ao mundo de forma absolutamente democrática e capitalista, como tsunami que derruba uma a uma as indústrias do ocidente. Nenhum estrategista militar conseguiria tal feito, nem que tivesse implante cerebral de Alexandre, o mancebo macedônio, Napoleão o ulcerado, ou de Ho Chi Min, o vietnamita destroçador de generais franceses e americanos que lutaram por políticos ditatoriais e não por interesses cidadãos do povo francês ou americano: Entram na guerra sem perguntar aos cidadãos se a desejavam.

A China do futuro é matemática.

Não se pode crescer indefinidamente a taxas altas. Elas decrescem na medida da demanda mundial e do crescimento econômico da nação. È como a velocidade de um objeto em relação à velocidade da luz: Na medida em que a velocidade do objeto aumenta, a massa aumenta e torna mais difícil aumentar a velocidade. Quanto mais, menos.
O povo chinês, ainda que a passos de tartaruga, vai tendo acesso ao conhecimento e às diversas culturas e evoluirá na democracia. Os futuros governos da China acompanharão o desenvolvimento democrático em sintonia com o povo, ou, alternativamente haverá mudanças por força de revolução. Não há outra opção.

Para o bem geral da humanidade espera-se que a China evolua em paz e tranqüilidade e que, ao atingir o topo, por aí fique de forma permanente, sem voltar às deficiências de ser governada pela cabeça de confrarias de uns poucos em detrimento das massas populacionais. Para isso, o Japão é um excelente exemplo. Começou sua escalada econômica produzindo bens de terceira ou quarta categoria, a preços baixos, e tornou-se uma potência econômica. Mas o Japão sofre do mal da falta de matéria prima. A China tem de sobra e suas fronteiras estão mais perto dessas matérias. Falta-lhe a Democracia Participativa para ficar por pelo menos uns 500 anos à frente do mundo. E para se ser líder mundial é necessário estar em sintonia com os povos do mundo.

Parabéns e meus abraços à China! Se puder, dê uns conselhos à Coréia do Norte e a Cuba e não deixe que Bahsar-Al_Assad continue a massacrar o povo sírio. É um pobre exemplo de política internacional. 


Rui Rodrigues

P.S. - Deixo meu abraço em particular a Hong-Kong, Macau, Formosa e Xangai.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Ilusões em um mundo real, ou realidades num mundo de ilusões?





Ilusões em um mundo real, ou realidades num mundo de ilusões?

A moderna Física Quântica abre-nos uma janela para a eventualidade de sermos meras imagens animadas, “hologramas” [1] de um mundo real, diferente, muito próximo, que não podemos conhecer: Estaria em outra das onze dimensões deste nosso universo. Através da holografia podemos “reconstituir” a imagem de uma maçã em três dimensões, por exemplo, a partir de uma parte dela e não dela toda.

Neste nosso mundo a que chamamos, talvez ilusoriamente de “real” – pelo menos aparentemente – têm  surgido magos e mágicos que nos deixam perplexos com suas mágica, que, já o sabemos, não passam de meros truques que nos desviam a atenção. Numa fração de segundo a mágica foi completada sem que tenhamos percebido como. Ninguém de uma platéia de centenas de pessoas consegue perceber como os truques são feitos.

Na nossa vida diária o tempo em segundos passa tão rapidamente que, preocupados ao atravessar uma rua, perdidos numa concentração mental para resolver um problema, beijar a mulher ou o homem amado, não percebemos o tempo e este passa como que por encanto, mágica, como um relâmpago. Ter a mente ocupada faz-nos não perceber essa outra dimensão do mundo em que vivemos: o tempo. Nessas ocasiões “agradáveis” o tempo parece parar. Pelo contrário, quando estamos ansiosos  ou preocupados, o tempo arrasta-se e os segundos parecem horas, as horas dias, os dias semanas... Parecemos crianças (nosso consciente) quando nos diz o nosso subconsciente: Seja um bom menino e faça algo para eu ganhar uma boa dose de dopamina”

Quando assistíamos a espetáculos circenses – que estão acabando – ou quando nos divertimos ou passamos por aquilo a que costumamos chamar de “bons momentos” sofremos reações químicas em nosso cérebro e grandes doses de endorfinas[2] são injetadas dando-nos a sensação de prazer. São essas descargas de dopamina, por exemplo, que nos dão a sensação de prazer e nos iludem a avaliação da medida do “tempo”, nos tira do mundo real e nos transporta para o mundo da ilusão temporal sem que, contudo, isso signifique que o que fazemos não seja real, de verdade. No entanto, o que sentimos depende da capacidade de cada um de produzir e de interpretar essas substâncias neurológicas como fonte de prazer e de intensidade de prazer.

Em busca desse prazer, ou melhor, da obtenção dessas substâncias neurológicas que nos dão o sentimento de prazer, nos iludimos muitas vezes, de forma proposital, não consciente, ao corresponder a um interesse em objetos amados, como, por exemplo, o namoro, a paixão. Frases, toques de pele, perfumes, sexo, nos atraem para obtenção dessas substâncias. Passamos assim, como num passe de mágica, do mundo real para o virtual, imaginário, como numa armadilha. Se analisássemos friamente a situação, poderíamos sentir outros fatores envolvidos nas frases, nos toques de pele, nos perfumes, nos incentivos à “paixão” e evitar possíveis sofrimentos futuros, mas isso não poderia produzir a dopamina em nosso cérebro e não sentiríamos prazer nisso, embora deva existir quem possa lidar em certos momentos com essa mágica de provocar essa necessidade em outrem, mas sem o envolvimento emocional para a produção própria da dopamina.

É por isso que homens e mulheres se iludem exatamente dessa forma, quando, apesar de saberem os defeitos dos parceiros, continuam buscando neles a sua companhia em busca de momentos de prazer, ou melhor, de momentos que os façam produzir a dopamina, que por sua vez produz a sensação de prazer. São capazes de viver anos a fio até que a realidade aflore e busquem outras pessoas outros motivos na vida que as façam produzir tanta ou mais dopamina do que antes. Dizem por exemplo, que nada melhor para “esquecer” um amor frustrado do que arranjar outro amor, o que deve ser interpretado, como nada melhor para conseguir novas doses de dopamina, do que arranjar um novo “amor” que provoque a sua produção. Do termo dopamina surgiu o termo “dopado”,não por acaso. O “amor” dopa! Temos aqui, especificamente, o caso de uma magia, uma mágica da natureza que nos transporta do mundo real para o virtual, e por vezes confundimos os dois.

Dizíamos, antigamente, que o amor vinha da alma sem sabermos exatamente o que é a alma, e que muitos achavam e ainda acham que se situa no coração, um músculo operacional, sem raciocínio próprio, que faz sempre a mesma coisa cerca de 60 vezes por minuto: bombear sangue das veias e para as veias. Um músculo que apenas é controlado por uma pequena parte do cérebro, do tamanho de um punho fechado, o bulbo raquidiano. E sobre este bulbo raquidiano, não temos a menor centelha de controle. Ele é autônomo, independente. Vivemos realmente em mundo de ilusões que confundimos com a realidade ou que transformamos em “realidade”.

Indo um pouco mis além no mundo das ilusões, quando candidatos a eleições nos vêm pedir votos, nós, que estamos muito ocupados com o nosso trabalho, com nossa família e amigos – e com nós mesmos -  nos iludimos jogando dopamina no cérebro quando os vemos ou ouvimos, dizendo para nós mesmos;

- É este... É este que vai resolver os nossos problemas.

É outra ilusão. Os candidatos também jogam dopamina em seus cérebros quando nos vêem ou ouvem nossos gritos de apoio, e sentem prazer, dizendo para si mesmos:

- São estes... Com os votos destes eleitores resolverei todos os problemas dos que pagaram a minha propaganda e os meus próprios problemas. Agora sou gente importante!

Não nos iludamos... Ou devemos iludir-nos para ganharmos nossas doses de dopamina?

Rui Rodrigues