Arquivo do blog

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Texticulos e sardinhas...



Texticulos são diferentes de testículos.

Um dia escrevi uns Textículos e criei esta nomenclatura para textos assim pequenos, reles, sem importância, que escrevi e como aqueles que têm escrevinhado para nossos presidentos e presidentas nos últimos 15 anos, que tanto horrorizaram a nossa querida Academia nem sempre de Belas Letras, depois que admitiu marimbondos de fogo de bunda mole em suas vetustas prateleiras de hercúleos versos...

Da língua portuguesa sou esposo e amante, mas confesso uns casos com mais de um par e menos de meia duzia de línguas, como iguarias de diferentes pensamentos. O Rio de Janeiro, Fevereiro e Março, alô alô Realengo aquele abraço, é uma Babel sem torre. Pezão veio se desculpar com texticulos.... Se não tivéssemos reclamado, estaria no SPA de luxo se masturbando com mão alheia até hoje, comendo churrasco de penedo.
Testículos de porco, por exemplo, não têm letras nem discursos

A imagem pode conter: 1 pessoa, close-up


Fábula das sardinhas contada "assim" e assada "na brasa". Imagine que...


Em todas as nações, pescadores pescam sardinhas todos os dias do ano, de todos os tamanhos, até acabar com elas porque não têm tempo de se reproduzir. Menos num, onde se pescam apenas sardinhas adultas, e se respeita o período de procriação...
Ao final de uns cinco anos acabam as sardinhas em todo o mundo e chegam os comunistas dizendo: Também temos direito a pescar sardinhas, este planeta é de todos. E chegam com bombas, armas e frasquinhos de perfume "molotov".


E você, sem exército, sem armas, porque quer a união sul americana de povos e nações unidos no "comunismo Bolivariano", entrega a rapadura, perdoa dividas, usa sardinhas sem camisinha...

Nenhum texto alternativo automático disponível.E chama o Papa, claro, porque ele adora que doem sardinhas de preferência já descamadas, cortadas em filés, e convertidas em moedas fortes....
John Lennon não era chegado em sardinhas e fumava um baseado com a Yoko Ono frequentemente. Ambos sonhavam, sonhavam, sonhavam... Nenhum fazia contas. Os discos vendiam muito bem para uma juventude sonhadora que emigrou para a Jamaica e Uruguai, onde "no problem". Sonhar é muito bom.

Temos que iluminar a história com lâmpadas reais, e "energia limpa".

https://www.youtube.com/watch?v=YkgkThdzX-8

Rui Rodrigues